Novos horários na linha do Douro são “atentado” à região

Junta de Freguesia reage aos horários disponibilizados pela CP e IP nos respetivos sites.

Pinhão 11-07-2018

A Junta de Freguesia do Pinhão está absolutamente estupefacta com os horários que entrarão em vigor na linha do Douro no trecho entre a Régua e o Pocinho no próximo dia 5 de agosto e entretanto divulgados através dos sites da CP-Comboios de Portugal e da IP – Infraestruturas de Portugal.

Os horários divulgados preveem uma redução de 40% da atual oferta no trecho entre a Régua e o Pocinho o que a Junta de Freguesia do Pinhão considera inexplicável numa altura em que a procura tem, por diversas vezes, excedido a oferta. Situação que já motivou inclusivamente a intervenção das autoridades no passado por estarem a ser vendidos bilhetes sem que haja lugares disponíveis.

Apesar de compreender o problema que a CP – Comboios de Portugal SA enfrenta no que respeita ao material circulante, a Junta de Freguesia do Pinhão não aceita que um dos trechos da rede com mais procura turística esteja a ser afetado desta forma. A Presidente da Junta de Freguesia do Pinhão, Sandra Moutinho refere, no site da autarquia, que “a paciência no vale do Douro tem sido mais do que muita e não será de ânimo leve que se irá assistir a mais um atentado aos direitos dos cidadãos e um duro golpe na perspetiva turística da região”. Sobre aos novos horários, Sandra Moutinho é perentória: “é absurdo não haver comboios de ligação à Régua ou ao Porto depois das 14h19”, ironizando “será que o vale do Douro agora só abre durante a manhã?”. Com os olhos postos na ligação Lisboa-Porto, salienta ainda que “o tempo de ligação da linha do Douro para Lisboa era de 12 minutos, agora passa para 5 minutos”. A autarca recorda ainda que “há quase uma década que a CP está a alugar a Espanha automotoras que são obsoletas e não dão uma resposta de conforto e qualidade que era expectável numa região com tantos visitantes” e acrescenta que “foi tempo mais do que necessário para perceber a importância da região e resolver os problemas”. “A paciência das pessoas esgota-se”, atira a autarca.

A Junta de Freguesia do Pinhão elenca ainda um conjunto de outros incidentes que se tem verificado e deixado a população e visitantes à beira de um ataque de nervos. Depois de o ano passado a oferta ter sido reforçada com o comboio MiraDouro já este ano o mesmo foi retirado do percurso Régua – Tua reduzindo para pouco mais de 20 minutos o tempo em que circula efetivamente junto ao rio. A CP informou que a procura deste comboio o ano passado atingiu as expectativas e ainda assim foi este ano “amputado”. Já o comboio histórico e a vapor, coqueluche da região há vários anos, foi em 2018 tardiamente anunciado e iniciado sem que a tradicional locomotiva a vapor e principal motivo de interesse estivesse disponível. Vários são os relatos de passageiros insatisfeitos por pagarem uma experiencia que não corresponde ao publicitado e ainda mais passageiros tem cancelado as viagens.

Sandra Moutinho mostra-se muito preocupada com aquilo que considera ser um “ataque” à região, aos cidadãos e ao potencial turístico do vale do Douro e apela ao Governo que interceda junto da CP para obter uma solução que vá de encontro aos interesses de todas as partes. Lamenta ainda que as populações nunca sejam ouvidas nestes processos para em conjunto se encontrarem estratégias e compromissos sustentáveis.